Luanda - O consulado-geral de Portugal em Luanda emitiu este ano mais de 55 mil vistos em passaportes, um aumento de cerca de 10 por cento face a 2015, apesar da crise que se vive em Angola, informa a agência Lusa.

Segundo dados do consulado, deram entrada em Luanda, entre 01 de janeiro e 10 de dezembro, um total de 63.304 pedidos de visto, um aumento de 12% em termos homólogos, tendo sido atribuídos 55.378 (entre Espaço Schengen e apenas para território nacional português).

Trata-se um aumento de quase 5.000 vistos atribuídos num ano (+9,8%), com Luanda a voltar a apresentar, em 2016, o maior movimento na rede consular portuguesa, contando atualmente com 45 trabalhadores, entre funcionários do Estado português e de uma empresa de prestação de serviços.

"Como o comprovam os números, a crise não veio alterar a tendência crescente dos pedidos de visto Schengen no consulado-geral de Portugal em Luanda. Apesar das dificuldades que se vivem no país, o constante aumento dos pedidos de vistos vem comprovar que Portugal não é um mero destino turístico para os angolanos, cujo fluxo varia ao sabor das crises", afirmou, em declarações à Lusa, a cônsul-geral, Alexandra Bilreiro.

De acordo com a diplomata, os angolanos continuam a viajar para Portugal "para turismo, mas sobretudo visitar familiares, fazer negócios, ou também por motivos de saúde".

"Muitos têm familiares a viver, estudar ou trabalhar em Portugal, o que lhe permite algumas poupanças no alojamento, e Portugal permanece um destino relativamente barato, comparado com outros destinos europeus ou outros destinos de férias", refere a cônsul em Luanda.

Acrescenta que as campanhas promocionais de algumas companhias aéreas "também tem contribuído para este fluxo", embora as rotas escolhidas por vezes não sejam as diretas, "por motivos financeiros".

Angola vive desde finais de 2014 uma profunda crise financeira, económica e cambial, decorrente da quebra para metade nas receitas com a exportação de petróleo.

Na componente cambial, a falta de divisas aos balcões dos bancos comerciais tem vindo a dificultar as viagens ao estrangeiros, mas a situação, aparentemente, não tem condicionado os pedidos de visto para Portugal, que todos os anos batem novos recordes, com picos no Natal e no verão.

"Nota-se igualmente a variação dos pedidos em função da disponibilidade de divisas [euros] na banca comercial", explica Alexandra Bilreiro, citada pela Lusa, dando conta que os "carimbos comprovam que efetivamente [quem pede vistos] viajam".

Além do consulado-geral, em Luanda funciona ainda, desde julho deste ano, um Centro de Vistos, assegurado por uma empresa externa, com cerca de 40 trabalhadores, que trata especificamente dos pedidos de vistos.

"Permitiu um ligeiro aumento do número de atendimento dos requerentes de visto, mas sobretudo permitiu melhorar substancialmente a qualidade do atendimento do utente", reconhece Alexandra Bilreiro.

Segundo a cônsul, o prazo de devolução do passaporte "é sensivelmente o mesmo" de 2015, e a proximidade deste centro às instalações do consulado - poucos metros - é "também uma mais-valia", ao permitir aos utentes "deslocarem-se facilmente de um para outro, seja para solicitar informações, entregar documentos, ou saber qual o estado do seu processo de pedido de visto".

Reserve já

motor reservas

Newsletter

introduza os seus dados de registo| enter your registration data| entrez vos données d'inscription