A Vueling inaugurou um novo voo semanal entre Barcelona e a Ilha do Sal, em Cabo Verde. 

A companhia aérea espanhola Vueling realizou este sábado, 18 de junho, o primeiro voo de baixo custo para Cabo Verde, que vai passar a ser realizado semanalmente durante o Verão, entre Barcelona e a ilha do Sal.

O voo aterrou durante a tarde no aeroporto internacional Amílcar Cabral, em Espargos, ilha do Sal, com 146 passageiros, e, segundo o Instituto do Turismo de Cabo Verde, vai passar a ser semanal durante este Verão.

“É o retorno de uma rota de férias para os residentes na Catalunha, que está a ser a saudado com algum destaque pelo Aeroporto de Barcelona/El Pratt, tal como o reforço de outras rotas da Vueling para destinos africanos de praia”, salientou o mesmo instituto cabo-verdiano.

O administrador do Instituto de Turismo de Cabo Verde, Francisco Martins, disse que a inauguração do voo “marca o início de um novo capítulo no turismo” no arquipélago e garantiu que há contactos para operações do género de mais companhias ainda este ano.

“Queremos dinamizar a procura com o aumento de fluxo de voos e que as ofertas de voos sejam mais frequentes e a preço mais atrativo”, disse o líder institucional, citado pelo Expresso das Ilhas.

Em maio, o ministro do Turismo e Transportes cabo-verdiano, Carlos Santos, disse que o país já está a trabalhar nesta ideia desde 2019, com o conceito de ‘stopover’ (permitir que passageiros possam permanecer numa ilha durante algumas horas).

Na mesma altura, o ministro considerou que a concessão dos aeroportos e aeródromos ao grupo Vinci vai ser uma oportunidade para atrair voos ‘low cost’ para o país.

“Fazendo isso, nós estamos a facilitar a conectividade com o exterior, não só com países onde está a diáspora cabo-verdiana, como também com outros nichos de mercado para o turismo”, frisou o ministro, para quem o objetivo é diversificar a procura turística no arquipélago.

Em janeiro, o primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, afirmou que estava a ser preparado um quadro legal para fomentar o transporte aéreo por companhias ‘low cost’ para o arquipélago.

O turismo representa cerca de 25% do PIB de Cabo Verde, mas depois de um recorde de 819 mil turistas em 2019, as limitações às viagens internacionais devido à pandemia de covid-19 provocaram uma quebra na procura de 70% e o país enfrenta agora uma profunda crise económica e financeira.

O país registou em 2020 uma recessão económica histórica, equivalente a 14,8% do PIB.

Segundo dados oficiais, a economia cresceu 7% em 2021, impulsionada por alguma retoma na procura turística, mas o Governo reduziu para 6% a previsão de crescimento em 2022, devido às consequências da guerra na Ucrânia.

Em 2021, o arquipélago recebeu 229.263 turistas e espera mais do que duplicar esse número este ano, invertendo a tendência de queda nos últimos dois anos por causa da pandemia de covid-19, segundo previsões do Orçamento do Estado.

Escrito por: África 21 Digital

A BestFly opera os voos domésticos em Cabo Verde com dois ATR 72-600 próprios – através do operador aéreo nacional TICV -, tendo realizado no primeiro ano de operação mais de 3.400 voos entre as ilhas cabo-verdianas. 

A BestFly prevê uma frota de seis aeronaves para a operação em Cabo Verde, incluindo um segundo jato Embraer 190, e ligações do arquipélago com África ocidental e Portugal, anunciou a administração do grupo de origem angolana.

“Vai permitir manter a nossa operação de uma forma sustentável, mesmo quando a época for baixa”, afirmou o presidente do conselho de administração do grupo BestFly, Nuno Pereira, à margem da receção do primeiro jato Embraer 190 (E-190) da companhia e o primeiro certificado pela Agência de Aviação Civil (AAC) de Cabo Verde, que chegou hoje ao aeroporto da Praia, cerca das 20:00 locais (22:00 em Lisboa).

O administrador antecipou que o primeiro E-190 cabo-verdiano deverá iniciar a operação comercial em julho, após a conclusão da certificação em Cabo Verde e dos voos internacionais, prevendo que venha a ligar a costa ocidental africana, nomeadamente Bissau, à Praia e a Portugal (Ponta Delgada e Lisboa), mas também Angola, Nigéria e Senegal.

O plano para a operação do verão de 2022 do novo E-190, apresentado durante a cerimónia de hoje, prevê em concreto e em “formato de estrela”, a partir de Cabo Verde, ligações Praia – Luanda, Praia – Ponta Delgada, Praia – Dacar, Praia – Lisboa, Praia – Lagos, Praia – Bissau, Dacar – Bissau, Luanda – Acra e Sal – Lisboa.

“Porque todo o transporte tem de ser intermodal e não pode ser isolado”, afirmou ainda Nuno Pereira, garantindo que esta operação vai envolver parcerias com a estatal Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV) e a açoriana SATA.

“Até final do ano temos no nosso plano de negócios o projeto de incrementar a nossa frota com mais um E-190 e com duas aeronaves Twin Otter, com menor capacidade, de 19 lugares, para poder fazer esse complemento à necessidade que existe de fazer evacuações médicas, de auxílios pontuais em ilhas pontuais”, afirmou igualmente Alcinda Pereira, diretora executiva do grupo angolano.

No primeiro ano de voos regulares em Cabo Verde, o grupo BestFly realizou, além de evacuações médicas em voos regulares, 35 voos ‘charter’ para transportar doentes em estado grave, a pedido das autoridades de saúde, justificando com esta necessidade a aquisição das duas aeronaves Twin Otter, bem como com a realização de voos para ilhas com menos procura ou na época baixa, por “reduzir significativamente” os custos.

“É nossa obrigação reduzir os custos do Estado com as evacuações médicas”, afirmou Nuno Pereira, garantindo que com estes novos aviões, mais pequenos, não será necessário desviar do serviço comercial aeronaves que garantem voos regulares, como chegou a acontecer.

A BestFly opera os voos domésticos em Cabo Verde com dois ATR 72-600 próprios – através do operador aéreo nacional TICV -, tendo realizado no primeiro ano de operação mais de 3.400 voos entre as ilhas cabo-verdianas e transportado mais de 170.000 passageiros, com uma taxa de ocupação média de quase 71% (de 17 de maio de 2021 a 17 de maio de 2022).

O grupo BestFly iniciou a atividade em Cabo Verde, nos voos domésticos, em 17 de maio de 2021, com uma concessão emergencial de seis meses, após a saída da espanhola Binter – que era também a única operadora -, e em julho do mesmo ano comprou a TICV, operador aéreo certificado pela AAC (detida até então pela Binter), prevendo “concentrar a atividade na marca única BestFly”.

“A Bestfly não precisou de qualquer subsídio do Estado de Cabo Verde. E isso é muito importante”, sublinhou Nuno Pereira.

O Estado de Cabo Verde detém 30% da operadora aérea TICV, estando os restantes 70% nas mãos da BestFly.

A nova aeronave E-190 que chegou hoje ao Aeroporto Internacional da Praia foi contratada em regime de ‘leasing’ no final de abril passado e a conclusão do processo de certificação pela AAC, com o apoio da Agência Nacional de Aviação Civil do Brasil (ANAC) e dos profissionais do grupo em Cabo Verde e Angola, permitiu a sua movimentação para o país.

“Uma companhia de africanos, por africanos, para africanos”, afirmou Nuno Pereira, destacando que o grupo de origem angolana está hoje presente em vários países, em África, na América e na Europa.

Escrito por: África 21 Digital

Os governos de Cabo Verde e  de Marrocos assinaram um acordo de cooperação turística, visando promover uma cooperação activa na área do turismo entre os dois países e as respectivas potencialidades turísticas.

Cabo Verde e Marrocos pretendem reforçar as relações de cooperação turística entre os dois países e tomarão as medidas necessárias para promover e desenvolver os intercâmbios turísticos.

O acordo prevê a cooperação entre as organizações responsáveis pelo turismo, as suas empresas turísticas, bem como entre as suas associações profissionais do setor turístico.

Com duração incial de cinco anos, o acordo poderá ser renovado automaticamente por iguais períodos.

Escrito por: África 21 Digital

Reserve já

motor reservas

Newsletter

introduza os seus dados de registo| enter your registration data| entrez vos données d'inscription