A ligação aérea entre Luanda e Uíge esteve inativa durante mais de 20 anos e será reativada a partir desta segunda-feira, com duas frequências semanais. 

A TAAG – Linhas Aéreas de Angola vai voltar a operar na rota Luanda-Uíge-Luanda, esta segunda-feira (dia 2), depois de mais de 20 anos desde que desactivou a conexão aérea entre a capital do país e a cidade sede do bago vermelho (café) de Angola.

Segundo apurou a ANGOP, a ligação entre as duas províncias será assegurada pela aeronave Dash8-400, que deverá partir de Luanda às 7h00, para aterrolar no aeroporto “Manuel Quarta Mpunza” 45 minutos depois da sua descolagem,  transportando 65 passageiros.

Para manter a operacionalização dos serviços nesse trajecto, a companhia de bandeira nacional vai operar com duas frequências semanais (segunda e sexta-feira), das 7h da manhã (partida) com chegada as 7h45 e o seu retorno as 8h30 e chegada as 9h 15 minutos.

Para este destino, os bilhetes, nesta fase embrionária, estão a ser comercializados ao preço promocional de 9.500 kwanzas.

Com esta ligação, a província do Uíge torna-se na 14ª rota doméstica da transportadora aérea nacional, depois das províncias do Huambo, Huíla, Cabinda, Benguela, Bié, Lunda Sul e Lunda Norte, Moxico, Cuando Cubango, Cunene, Namibe, Zaire.

84 anos de voos

A TAAG foi criada em 1938 como DTA – Divisão dos Transportes Aéreos da Direcção dos Serviços de Portos, Caminhos-de-Ferro e Transportes de Angola, e, segundo dados históricos, as suas operações iniciaram-se, de facto, em 1940.

Na fase inicial, utilizava os aviões Dragon Rapide, Klemen e Leopard Moth, tendo como primeiras linhas regulares activas Luanda-Moçâmedes e Luanda-Lobito, enquanto os primeiros voos internacionais faziam o percurso Luanda-Ponta Negra (Congo Brazzaville).

A partir de 1948, a companhia passa a utilizar os aviões do tipo Douglas DC-3, e 14 anos mais tarde (1962) adquire o primeiro aparelho do tipo Fokker Friendship (Fokker F27).

Em 1973, a DTA transforma-se em empresa de capital misto com a designação de TAAG – Transportes Aéreos de Angola, S.A.R.L., com capital maioritário do Governo, 30 por cento da TAP (Portugal) e o restante repartido por empresas privadas.

Até à Independência de Angola (em 1975), além do acrónimo TAAG, os aviões usados na altura identificavam-se com as cores branca, faixas horizontais verdes, sombreados pretos e o símbolo da Palanca Negra gigante, uma identidade totalmente alterada.

Dessa data, para os dias de hoje, a operadora passou de Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada (SARL) à Unidade Económica Estatal (UEE), depois á Empresa Pública (E-P) e agora à Sociedade Anónima (SA), como vanguarda do transporte aérea angolano.

Em Setembro de 2019, a TAAG começou o processo de privatização da operadora por força de um Decreto assinado pelo Presidente da República, João Lourenço, anuindo à transformação desta em Sociedade Anónima (SA).

Regresso testa aeroporto

Apesar de existir desde 1951, o Aeroporto do Uíge foi reinaugurado em 2014 e baptizado de Manuel Quarta Mpunza, uma  homenageia a este enfermeiro, ex-guerrilheiro, político e diplomata angolano, que ocupou os mais altos postos políticos desta província.

Localizado no centro da cidade do Uíge, capital da província, a referida unidade aeroportuária possuí uma pista de 2.000 metros de comprimento e 17 metros de largura, com uma faixa de 65 metros e uma unidade de 213 pés.


Escrito por: África 21 Digital

Reserve já

motor reservas

Newsletter

introduza os seus dados de registo| enter your registration data| entrez vos données d'inscription