São Tomé - O Fundo Monetário Internacional (FMI) considera que o governo são-tomense deve apostar em setores chaves como o turismo e agricultura para criar empregos e reduzir a pobreza.

"Estamos a falar de reformas estruturais que são importantes para a criação dos postos de trabalho, na promoção do crescimento e consequentemente para a redução da pobreza. Quando se tenta promover o desenvolvimento temos que encontrar áreas com maior potencial e sem dúvida que o turismo é uma dessas áreas", disse o chefe da missão, Maxwell Opoku-Afari , citado pela agência portuguesa Lusa.

Durante duas semanas a missão do FMI esteve em são Tomé para avaliar o programa económico que terminou em 2015.

A missão do FMI que deixou hoje o país concluiu que o empenho macroeconómico do país durante este período "é favorável", tendo crescido "mais rápido do que em muitos pequenos estados insulares".

Com a queda da inflação para 04 por cento em 2015 em virtude da fraca procura e da queda do preço de petróleo e outras matérias prima, o Fundo Monetário Internacional promete continuar conversações com o governo e doadores "para ver quais são os desafios que se colocam, ultrapassa-los e fazer não só uma promoção do crescimento, mas também promover a criação de postos de trabalho e mais uma vez aumentar a receita e reduzir a pobreza".

O aumento da produção de cacau e do investimento direto estrangeiro no setor do turismo são aspetos que vão continuar a contribuir para o aumento do Produto Interno Bruto (PIB).

Mas o FMI considera que o défice no setor das infraestruturas com particularidade para o setor energético tem sido um entrave para o desenvolvimento do país".

"Nos contactos que mantivemos com o setor empresarial foi várias vezes referido que há empresas que acabam por gastar atá 40% dos recursos operacionais só para a eletricidade", disse Maxwell Opoku-Afari.

"Estamos a falar num custo elevadíssimo e se as empresas têm um custo tão elevado em termos operacionais, acabam por não ter obviamente os lucros que deveriam ter, isso vai, por sua vez, ter um impacto na não criação de postos de trabalho, que por sua vez, tem um impacto no aumento da pobreza e não na sua redução que é aquilo que se pretende", acrescentou.

O FMI promete continuar a manter os contactos com o Banco Mundial e o Banco Europeu de Investimentos "para ver como, em conjunto, será possível trabalhar no sentido de melhorar o setor elétrico para que os preços possam ser reduzidos e consequentemente podermos aumentar a produtividade das empresas e os seus lucros".

A missão do FMI aconselha o estado são-tomense a manter a prudência fiscal e aproveitar a dinâmica de reformas para reduzir a dívida pública e levar os benefícios da reforma a um seguimento mais alargado da população.

Reserve já

motor reservas

Newsletter

introduza os seus dados de registo| enter your registration data| entrez vos données d'inscription