O setor do turismo em Moçambique arrecadou mais de US$ 150 milhões de dólares o ano passado resultante da visita de mais de um milhão de turistas.

Os dados foram divulgados, segunda-feira (06), em Maputo, pelo ministro da Cultura e Turismo, Silva Dunduro, no seminário de capacitação de técnicos de instituições públicas, em matéria de estatística, informa hoje (07) a Rádio Moçambique.

“Estamos a desenvolver um projeto-piloto dos operadores turísticos para percebermos até que ponto o contributo do turismo nacional oferece para o peso na nossa economia. Quando dissemos que no ano passado o Turismo contribuiu com 151 milhões de dólares, face a chegadas internacionais, mas se hoje formos aquilo aferir aquilo que efetivamente o Turismo doméstico traz, provavelmente o peso seja muito maior do que hoje estamos a falar”, disse o ministro.

Duas coutadas do distrito de Marromeu, província de Sofala, centro de Moçambique, receberam 24 leões da África do Sul, no âmbito do programa de repovoamento animal da região, anunciou a Zambeze Delta Safaris (ZDS), concessionária das coutadas.

Os animais foram colocados nas coutadas 11 e 12 e foram transportados em cinco voos fretados, no que a ZDS considera “a maior operação de translocação de leões alguma vez realizada em África”.

“Trata-se de 18 fêmeas e seis machos oferecidos por diferentes províncias da África do Sul, entre parques e reservas privadas e públicas”, refere a nota.

Dos 24 leões, 15 animais têm colar-satélite para a sua monitorização, acrescenta o comunicado. A operação custou um milhão de dólares doados por dois filantropos norte-americanos.

“Os animais passaram a ser pertença da Administração Nacional das Áreas de Conservação e sobre eles existe o compromisso voluntário dos operadores de não incluírem estes animais nos safaris de caça”, lê-se no comunicado.

Além de coutadas, Marromeu acolhe igualmente a Reserva Nacional de Búfalos, que conta 20 mil unidades desta espécie e é visitado por um terço dos turistas caçadores que visitam anualmente Moçambique.

A área é habitat de 18 espécies de mamíferos e além de búfalo aloja o elefante, piva, chango, a pala-pala, gondonga, zebra e o facocero.

A transportadora aérea cabo-verdiana, Cabo Verde Airlines (TACV), mantém suspensas as vendas de bilhetes do Brasil para Itália, até ao levantamento oficial da suspensão de voos para o mercado italiano pela autoridade da aviação italiana (ENAC). 

Em comunicado enviado à Inforpress, os responsáveis da transportadora aérea nacional dizem, no entanto, que o levantamento oficial da referida suspensão “acontecerá a curto prazo, sendo devidamente anunciado no site da entidade oficial”, ou seja, a ENAC.

A Cabo Verde Airlines, prossegue o documento, garante aos passageiros afetados pela suspensão de voos no destino Brasil-Itália que “serão protegidos de acordo com as regras internacionais de proteção ao passageiro”.

“A operação de proteção desses passageiros está centralizada no call center com sede na cidade da Praia, que trabalha em coordenação com as lojas da companhia em Recife e Fortaleza”, diz a mesma fonte.

Segundo o mesmo documento, os voos para o mercado brasileiro, nomeadamente Recife e Fortaleza, já foram retomados e encontram-se a operar com “normalidade fazendo ligação a Lisboa e Paris” e que durante esta semana será retomada a ligação para São Salvador.

Ainda em relação aos passageiros que se encontram em Itália, o comunicado adianta que estão a ser contactados e informados do cancelamento dos voos, sendo-lhes oferecidas opções de reembolso total do bilhete ou a proteção em companhias terceiras, a partir de Itália e Brasil.

A situação extraordinária de atrasos e cancelamentos consideráveis em julho passado atingiu 123 voos e 16 mil 79 passageiros em vários mercados, e todos os passageiros receberam a assistência necessária para serem reacomodados em outros voos de e para o Brasil, assegura a fonte.

Reserve já

motor reservas

Newsletter

introduza os seus dados de registo| enter your registration data| entrez vos données d'inscription