Brasília - A partir desta segunda-feira (18) a inspeção de bagagens e revista de passageiros nos aeroportos do país estão mais rigorosas. É que começam a valer as novas determinações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para garantir maior segurança dos passageiros. No Brasil, elas são normatizadas, segundo a Anac, pelo Regulamento Brasileiro da Aviação Civil número 107, regra que dispõe sobre a segurança da aviação civil.

Entre as medidas, está a que prevê que todos os passageiros estarão sujeitos à revista física feita por agente do mesmo sexo. A revista poderá ocorrer de forma aleatória, mesmo sem o disparo do detector de metais. Ela tem que ser realizada em local público ou privado, a critério do revistado e do agente, e sempre na presença de uma testemunha.

A norma diz ainda que o passageiro terá também que tirar computadores portáteis e outros dispositivos eletrônicos de dentro das malas e mochilas, como já vinha sendo cumprida em voos internacionais. Os passageiros também podem ter de abrir as bagagens de mão para que os agentes façam a inspeção dos objetos.

A Anac orienta os passageiros de voos domésticos que cheguem ao aeroporto mais cedo, com pelo menos uma hora e meia ou duas horas de antecedência e, no caso de voos internacionais, com três horas de antecedência.

Lisboa - A procura dos destinos portugueses pelos turistas brasileiros voltou a aumentar em maio, em comparação com o mês anterior, alcançando mais de 142 mil dormidas nos hotéis lusos, o melhor registo mensal desde o início do ano, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Com este registo o Brasil foi em maio o sétimo maior mercado emissor de turistas estrangeiros para Portugal, mas analisando os valores para o período de janeiro a maio o Brasil ocupa o sexto lugar e é também o maior emissor de turistas de fora da Europa.

Em abril os estabelecimentos hoteleiros portugueses registaram 98.142 dormidas de brasileiros. Em maio foram 142.641. O crescimento de um mês para o outro foi de 45%.

O bom desempenho de maio repete o sucedido em 2015. Em todo o ano passado foi no mês de maio que os hotéis portugueses receberam mais turismo proveniente do Brasil. No entanto, em comparação com 2015 os números de 2016 são mais baixos.

Em maio a variação homóloga do número de dormidas de turistas brasileiros em Portugal foi negativa em 6,5%. No acumulado de janeiro a maio a queda, em comparação com igual período de 2015, foi de 7,4%.

O Brasil é ainda, segundo o INE, o único dos 13 maiores mercados emissores de turistas estrangeiros que em 2016 está a gerar menos turismo. Os restantes 12 mercados de referências apresentam todos, no período de janeiro a maio, níveis mais altos de dormidas nos hotéis portugueses do que em 2015.

O maior mercado emissor de turistas estrangeiros continua a ser o Reino Unido, que proporcionou aos hotéis portugueses 2,95 milhões de dormidas nos primeiros cinco meses do ano. Segue-se a Alemanha, com 1,66 milhões de dormidas nesse período. França, com 1,29 milhões, e Espanha, com 1,17 milhões de dormidas, vêm a seguir. Na quinta posição estão os turistas da Holanda, que realizaram 857 mil dormidas até maio, e em sexto lugar os do Brasil, com quase 486 mil.

Os hotéis portugueses tiveram em maio receitas totais de 266 milhões de euros, mais 15% do que em maio de 2015. No acumulado do ano os proveitos chegam a 868 milhões de euros, mais 16,6% face ao ano passado.

Enquanto o turismo estrangeiro em Portugal neste período cresceu 12,7%, o número de dormidas de turistas portugueses subiu 7,8%, revela ainda o INE. A taxa de ocupação dos hotéis lusos em maio foi de 52%, mas no conjunto dos primeiros cinco meses do ano ficou em 40,1%.

Brasília - A partir de segunda-feira (18), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) vai reforçar os procedimentos de inspeção nos aeroportos do país, como a verificação de bagagens e a revista de passageiros para acesso ás áreas de embarque, pista e aeronaves. "É muito importante que os passageiros contribuam para que o embarque ocorra de forma eficiente e segura", diz a Anac.

Além da passagem pelo pórtico que identifica possíveis objetos proibidos, os passageiros poderão ser sujeitos a passagem pelo scanner corporal ou revista física aleatória. Neste caso, o passageiro poderá ser revistado por um agente de proteção da aviação civil do mesmo sexo, independentemente do disparo do alarme do equipamento de raio X.

A revista poderá ocorrer em local público ou reservado, a critério do passageiro e dos agentes, e com presença de testemunha. Se o passageiro se recusar a ser submetido à revista física, poderá ser proibido de entrar na área de embarque.

A retirada de computador portátil e de outros dispositivos eletrônicos do interior de malas e mochilas transportadas na bagagem de mão será obrigatória na passagem pelo raio X para voos domésticos.

Atualmente, a medida é adotada para voos internacionais. A Anac explica que a presença do notebook dificulta a visualização dos demais itens no interior da bagagem durante a inspeção pelo equipamento de raios X.

A inspeção manual aleatória de pertences de mão no momento da passagem pelo equipamento de raios X também poderá ser solicitada. Nesse caso, os passageiros deverão abrir a bagagens de mão para inspeção pelos agentes. Se o passageiro se recusar a abrir a bagagem de mão, poderá ser impedido de entrar na área de embarque. Agência Brasil

Reserve já

motor reservas

Newsletter

introduza os seus dados de registo| enter your registration data| entrez vos données d'inscription