Luanda - O Ministério da Hotelaria e Turismo de Angola pretende atrair até o ano de 2020 mais de 4,6 milhões de turistas, com vista a aumentar o Produto Interno Bruto do país e contribuir da melhor forma para a diversificação da economia, afirmou o titular da pasta, Pedro Mutinde. 

O ministro da Hotelaria e Turismo, que falava sexta-feira, na cidade do Lobito, durante a cerimónia de inauguração do novo Hotel Terminus, sublinhou que aquele departamento ministerial pretende criar mais de um milhão de empregos, através da abertura de mais estabelecimentos ligado a este ramo da actividade.

O responsável explicou ser pretensão do ministério da Hotelaria e Turismo contribuir com 3,1 bilhões de dólares para o PIB no mesmo período, através das potencialidades do país, assim como na liderança de Angola, para que se possa cumprir com tal desiderato.

O ministro disse que o executivo está a reunir todos os pressupostos necessários para a prática da actividade turística, começando com a estabilização económica, construção de estradas, pontes, aeroportos e ferrovias, para um desenvolvimento sustentável e inclusivo do sector, tendo como base a diversificação de fontes de receitas para o país.

"Pelo menos 84 novos hotéis foram construídos em Angola, entre 2008 e 2012, permitindo o surgimento de 4.780 quartos modernos. Em 2008 o país contabilizava 61 hotéis e 2.822 quartos, e actualmente conta com 145 hotéis e 7.602 quartos", disse.

Pedro Mutinde afirmou que o objectivo do ministério é conseguir que o desenvolvimento turístico de Angola, para além de contribuir para estreitar os laços entre os seus habitantes, seja um incentivo para a economia nacional, aumente a actividade e gere um mercado laboral em crescimento que permita melhorar a qualidade de vida dos seus cidadãos.

"Para tal, está a ser feito um esforço na criação e renovação de infra-estruturas hoteleiras", reafirmou o ministro.

As unidades hoteleiras e meios complementares de alojamento no país albergaram no ano transacto, 1.152 mil hóspedes, representando um aumento de 170.562 em comparação ao ano de 2012, segundo indica um boletim estatístico do mercado hoteleiro e turístico de Angola.

Madrid - A Organização Mundial do Turismo (OMT) acredita que África pode vir a ter maior participação nos fluxos turísticos. Em comunicado, a agência da ONU anuncia que entre 2000 e 2014, as viagens internacionais para o continente mais que duplicaram passando de 26 milhões para 56 milhões.

O tema foi debatido na Feira Internacional de Turismo, Fitur, realizada no fim do passado mês em Madrid, sede da OMT. Entre os 16 ministros que compareceram ao evento estão os titulares da pasta de turismo em Cabo Verde e da Guiné-Bissau.

De acordo com especialistas, África precisa melhorar algumas áreas como branding e promoção, investimentos estrangeiros, recursos humanos e desenvolvimento. É importante também desembaraçar burocracias na concessão de vistos para facilitar a chegada de turistas.

Participaram na reunião 16 ministros do Turismo de África e do Médio Oriente. Mesmo com um ano de 2014 com desafios económicos, a região cresceu 2% se comparado a 2013. A OMT refere que o futuro deve continuar a ser de crescimento com 134 milhões de chegadas previstas para 2030.

Segundo o chefe da agência da ONU, Taleb Rifai, o apoio ao turismo africano é importante para o crescimento da região e a geração de empregos, além de levar imensas oportunidades ao desenvolvimento.

Reserve já

motor reservas

Newsletter

introduza os seus dados de registo| enter your registration data| entrez vos données d'inscription